Blogs Unigranrio

Mercado de Trabalho na Radiologia Industrial

radiologia-industrial

 

Fonte: APROTERJ

http://aproterj.com.br/noticias/81-destaques/93-radiologia-industrial-e-o-mercado-de-trabalho

19 de Fevereiro. Dia do Esportista

DIA DO ESPORTISTA

Espanha e Reino Unido adotam tratamento que reduz a radioterapia de sete semanas para 35 minutos

thumbnail_1423247284-300x226

Uma técnica que reduz o prazo de radioterapia de sete semanas para uma sessão de apenas 35 minutos, em casos concretos de câncer de mama, já é aplicada com sucesso na Espanha e no Reino Unido.

A chamada “radioterapia intra-operatória” (IORT por sua sigla em inglês), que começou a se desenvolver no final dos anos 90, consiste em aplicar a cirurgia que remove o tumor e aplicar a radiação diretamente no leito tumoral (ponto onde se encontra o tumor), em que o cancro cresce em 90% dos casos.

De acordo com a doutora María Jesús Pla, coordenadora da Unidade Funcional de Mama do Hospital Universitário Bellvitge e do Instituto Catalão de Oncologia, o principal benefício desta técnica é que ela “garante as mesmas taxas de sobrevivência dos métodos tradicionais, entretanto, melhora a qualidade de vida do paciente”. Atualmente, o hospital espanhol é o único que faz uso da aplicação em seu país.

Pla e seus colegas explicaram que, em pacientes com câncer de mama que possuem tumores abaixo de dois centímetros, o método pode ser utilizado sem a necessidade de novas sessões de radioterapia convencional. “Essa aplicação pode ser feita em 30-35% dos pacientes com câncer de mama”, acrescenta a especialista.

Tumores maiores

De acordo com a experiência de Pla, a nova técnica pode ser combinada com a radioterapia externa convencional para as pessoas que possuem tumores acima de dois centímetros: “Nestes casos específicos, o tempo de tratamento pode ser reduzido para dez dias”, explica a profissional.

A nova técnica promete também proporcionar benefícios maiores em termos de efeitos colaterais como a redução de elementos tóxicos no corpo do paciente, que podem danificar vários órgãos. Somado a isso, os impactos estéticos nos pacientes também são menores, o que pode ajudar a melhorar o humor durante o tratamento.

A radioterapia intra-operatória surgiu graças a estudos realizados nos Estados Unidos e na Europa. A ideia dos especialistas agora é avançar nos estudos de tratamento de câncer, com métodos cada vez menos agressivos e características ainda mais específicas.

Texto extraído do site http://www.conter.gov.br/?pagina=noticias&id=683

Pós Graduação

logo EPJSV Pós

O programa de pós graduação da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV-Fiocruz) contempla cursos de :

ESPECIALIZAÇÃO
O Programa de Pós-graduação em Educação Profissional em Saúde da EPSJV oferece cursos de Especialização em Docência em Educação Profissional em Saúde e Especialização em Trabalho, Educação e Movimentos Sociais.

e

MESTRADO
O curso de Mestrado Profissional tem por objetivo aprofundar o conhecimento técnico e acadêmico, possibilitando a formação de docentes.

Dia Mundial de Combate ao Câncer

04/02/2015

04/02/2015

“O Dia Nacional de Combate ao Câncer foi criado em 1988 para ampliar o conhecimento da população sobre o tratamento e, principalmente, sobre a prevenção da doença.

A Portaria do Ministério da Saúde GM nº 707, de dezembro de 1988, que regulamenta as comemorações, estabelece que a data seja uma oportunidade para “evocar o importante significado histórico das entidades de combate ao câncer, de consagração aos inumeráveis e valiosos serviços prestados ao país e proporcionar importante mobilização popular quanto aos aspectos educativos e sociais na luta contra o câncer”.”

Texto extraído do site http://www1.inca.gov.br/eventos/dncc/2007/

RADIOLOGIA INDUTRIAL

Primeiramente vamos esclarecer que o termo radiologia industrial foi adotado pelo CONTER para descrever o grupo de práticas que fazem uso das radiações ionizantes na indústria. Este termo não é conhecido e utilizado no mercado industrial, contudo as práticas industriais oferecem muitas oportunidades, desde que os profissionais das técnicas radiológicas se adéqüem as resoluções da CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear), realizando treinamentos específicos em proteção radiológica com profissionais qualificados por este órgão.
As práticas industriais possuem um vasto ramo de atuação e os profissionais das técnicas radiológicas devem escolher uma das práticas industriais para atuar, como por exemplo, a escolha da prática de: Radiologia Industrial, ou Medidor Nuclear, ou Técnicas Analíticas, ou Perfilagem de Poços de Petróleo, ou Irradiação Industrial, entre outros.
Dentre as práticas industriais, a Radiologia Industrial é a área que mais emprega e melhor remunera, podendo o interessado por esta área pode atuar com Inspeção Industrial (END – Ensaios Não Destrutivos) nos setores petroquímico, petrolífero, metalúrgico, papel e celulose, eletromecânico, naval, nuclear, automotivo, mineração, siderúrgico, bélico, segurança, etc. e/ou Inspeção de Segurança não Invasiva (Scanners fixos e móveis). Esta última é a grande novidade do ramo de Radiologia Industrial, onde muitos técnicos e tecnólogos em Radiologia com treinamento em proteção radiológica em radiologia industrial estão atuando em portos, aeroportos, alfândegas, fronteiras, eventos, penitenciarias, empresas de transportes, empresas privadas, etc., realizando inspeções de bagagens, pessoas, cargas e containeres, utilizando-se da tecnologia de raios-X e raios-gama.
Segundo a Norma CNEN-NN-6.04 (1989), norma esta que está em processo de revisão, as empresas de Radiologia Industrial devem apresentar em seu quadro técnico funcional 2 (dois) Supervisores de Proteção Radiológica ou mais se a CNEN julgar necessário, e no mínimo para cada instalação dois operadores de radiografia, sendo um deles qualificado pela CNEN podendo o segundo ter apenas um treinamento especifico com carga horária de 80 h/aula ministrado por um SPR qualificado na prática de Radiografia Industrial e no caso de instalação aberta, exige pelo menos 1 (um) RIA – Responsável por instalação aberta na equipe.
O Supervisor de Proteção Radiológica ou de Radioproteção é um profissional com nível Superior completo que obteve treinamento especializado em proteção radiológica e experiência operacional através de um supervisor qualificado pela CNEN na prática de radiologia industrial. Este profissional precisa obter a aprovação na prova (teórica geral, específica e prática/oral) aplicada pela CNEN para desempenhar a função de Supervisor. Este profissional irá supervisionar a aplicação das medidas de segurança e radioproteção através do serviço de radioproteção da empresa.
O RIA – Responsável por Instalação Aberta, que terá sua nomenclatura alterada na norma revisada para Operador nível II, é um profissional que tenha concluído um Curso de Proteção Radiológica em Radiologia Industrial com carga horária mínima de 80 h/aula e posterior ter conquistado aprovação no processo de certificação da qualificação CNEN como “RIA”.
Operador de Radiografia, que também terá sua nomenclatura alterada na norma revisada para Operador nível I, é um profissional com treinamento em Proteção Radiológica em Radiografia Industrial com carga horária mínima de 80h/aula e posterior ter aprovação no processo de certificação da qualificação CNEN como “Operador”.
Auxiliar de Radiografia ou Operador Estagiário é uma função assumida no início da carreira e para exercício da função é necessário ter concluído o mesmo treinamento citado acima, contudo este profissional não possui ainda nenhuma certificação da CNEN.
Enfim, este treinamento (com carga horária mínima de 80 h/aula) é um dos pré-requisitos para atuação no mercado de trabalho e posterior participação dos processos de certificação da CNEN como RIA (futuramente Operador nível II) ou Operador de Radiografia (futuramente Operador nível I).
Diferente da área de Radioagnóstico, as práticas industriais oferecem maior risco radiológico, uma vez que as atividades fazem uso de equipamentos emissores de raios – X de média e alta energia e fontes radioativas gama de altas e variadas atividades, não sendo permitido estágio em empresas do ramo a candidatos que não atenderem a Norma CNEN NN 6.04 (1989), isto é, a interessados que não possuem treinamento em proteção radiológica em radiologia industrial, que não são devidamente monitorados e não cumprem as legislações trabalhistas (vínculo empregatício-CLT). Sem estas condições mínimas citadas acima, certamente teremos um aumento significativo do risco radiológico acarretando em sérios acidentes e inúmeras implicações à empresa, podendo a empresa, que não atender as Normas CNEN, perder a sua autorização para operação concedida por esta Autoridade Reguladora e o candidato que não foi devidamente treinado, sofrer danos irreversíveis e sem amparo trabalhista, como por exemplo, auxilio do INSS.
Pelos motivos acima, a CNEN exige que os Supervisores de Proteção Radiológica capacitem os profissionais para o mercado de trabalho ministrando treinamentos com aulas teóricas e práticas. O treinamento em proteção radiológica deve conter aulas práticas com simulações de resgate de fonte radioativa, inspeção e manutenção dos equipamentos, técnicas de levantamento radiométrico, cálculo de balizamento, cálculos de estimativa de dose, teste e aferição dos medidores de radiação, etc., a fim de preparar realmente o candidato para o mercado de trabalho evitando possíveis casos de acidentes ou incidentes radiológicos ou mesmo reduzindo as conseqüências na ocorrência desses eventos.]
Jornada de Trabalho do Profissional da Radiologia Industrial
A jornada de trabalho desses profissionais compreende em 24 horas semanais conforme a Lei 7.394/85, regulamentada pelo Decreto 92.790/86, e, acima dessa carga horária é considerada hora adicional. Assim, o profissional de radiologia industrial, mesmo atuando como auxiliar de radiografia (operador estagiário) poderá ter um ganho satisfatório no final do mês, pois a equipe dificilmente opera menos de quatro horas por jornada de trabalho.
Como forma de controle de exposição à radiação, em uma forma conservativa, as empresas de radiografia utilizam cálculos de estimativa de dose e distância de balizamento de área considerando o tempo de exposição radiográfica, ou seja, o tempo de fonte exposta onde à mesma permanece fora do irradiador ou o equipamento de raios-x permanece ligado. Através desses cálculos teóricos e posterior constatação prática com o monitor de radiação, é possível limitar a dose diária recebida pelo IOE em cada jornada de trabalho.

Rascunho automático

flyer_radiologia (2)

Rascunho automático

OUTUBRO ROSA

POS GRADUÇÃO EM PROTOCOLOS DE TC E RM PARA TECNOLOGOS EM RADIOLOGIA

PÓS RADIOLOGIA

O curso de Pós Graduação do CST e Radiologia está com as inscrições abertas, e um programa especial de descontos para ex-alunos d UNIGRANRIO e de outras Universidades.

Venha fazer parte deste time campeão.

Acesse http://www.unigranrio.br/# e faça sua inscrição hoje mesmo.

Ou no link http://www2.unigranrio.br/pos-graduacao/pos2015/curso-descricao.php?cod=137

Rascunho automático

 

Nos dias  30/10 e CRTR 03/11  o CONSELHO DE  TECNICOS E TECNOLOGOS EM RADIOLOGIA ira apresentar uma palestra sobre mercado de trabalho do tecnologo em radiologia. Inscrições no site da UNIGRANRIO:

:  https://sga.unigranrio.edu.br/sgp/Principal?alias=inscricao_on_line_evento